contato@mco.adv.br

Fale com um Advogado

Facebook

Youtube

Buscar

5 COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA INICIAR A SUA STARTUP

Atuar dentro de um modelo de negócios inovador é um dos fatores que mais atraem empreendedores para o universo das startups. No entanto, mais do que aquele entusiasmo de se trabalhar em um projeto original de empresa, é preciso agir de forma inteligente para abrir startup e evitar riscos em geral.

As startups possuem desafios muito diferentes de uma empresa tradicional. E, justamente por este motivo, é necessário uma dose de prevenção. O objetivo é que o empreendedor não cometa alguns erros que podem comprometer o futuro do seu negócio.

Quer evitar os principais erros de quem começa a empreender nesse modelo de negócio? Então confira:

5 Coisas que você precisa saber para iniciar uma startup

 

Conheça os regimes societários e regimes tributários

Embora as startups tenham características próprias, na hora de formalizar o negócio, as questões jurídicas são basicamente as mesmas de uma empresa tradicional. Não existe uma lei específica para as startups, o que na prática significa que essas empresas devem seguir os mesmos modelos de empresas e regimes tributários dos negócios convencionais.

Por isso, assim como ocorre com as empresas tradicionais, escolher o modelo certo e o regime tributário mais adequado é o primeiro passo para quem quer ter uma boa estrutura para empreender.

No caso das startups, alguns modelos de empresas podem ser mais favoráveis à investidores. Outros são específicos quanto à responsabilidade dos sócios. Por isso, o ideal é contar com uma assessoria especializada, antes de estruturar seu negócio.

Faça um bom planejamento tributário

A escolha do tipo de empresa influencia diretamente no regime tributário. Porém, dependendo do modelo societário escolhido, o empreendedor pode optar entre um ou outro regime de recolhimento de tributos.

É o caso, por exemplo, das empresas que podem ser tributadas pelo Simples Nacional ou pelo Lucro Presumido. Em casos como estes, sempre vale o auxílio de um profissional da área jurídica, já que a escolha do regime certo pode implicar em uma carga tributária menos onerosa.

Muitas vezes, as startups já atuam dentro de uma estrutura enxuta. Por isso, economizar nos impostos pode representar uma grande vantagem para muitas.

Saiba como abrir startup

Assim como no início de outras empresas, abrir startup pressupõe uma série de procedimentos burocráticos, que vão desde a elaboração do contrato social até o registro na Junta Comercial. Além disso, o empreendedor também precisará realizar a inscrição no cadastro municipal e estadual.

Como o contrato social precisa ser elaborado obrigatoriamente por um profissional da área jurídica, o ideal é buscar a assessoria de um profissional especializado, que possa não apenas redigir o documento, como também orientar o empreendedor sobre o passo a passo e esclarecer quais são as ações mais importantes para a formalização da startup.

Tenha um acordo de confidencialidade

Boa parte das startups atua desenvolvendo produtos e serviços inovadores. Justamente por esse motivo, é essencial contar com um acordo de confidencialidade que proteja todas as questões sigilosas ligadas à originalidade do projeto. A ausência desse tipo de documento pode até comprometer uma vantagem competitiva de mercado, pelo simples fato de um vazamento de informações.

Contar com um advogado para ajudar na elaboração desse tipo de documento é fundamental, já que esse profissional conta com uma visão mais estratégica sobre os riscos e impactos que determinadas ações podem gerar para o negócio.

Invista nos registros e proteção da propriedade intelectual

Outro erro muito comum realizado por empreendedores é deixar de registrar a marca da sua startup e proteger suas invenções por meio de uma patente. Os registros e proteção da propriedade intelectual são um passo fundamental para quem ter o direito de exclusividade sobre ela.

A falta de registro de uma marca pode trazer uma série de complicações ao empreendedor. Isso porque sem o certificado de registro, terceiros poderão usar o nome, logotipo e até a identidade visual da sua marca, confundindo consumidores e gerando inúmeros prejuízos.

DICA EXTRA: Tenha um acordo entre os sócios

Ter um acordo entre sócios pode até parecer exagero, pois é muito comum estar entre amigos e tudo que é falado está combinado. Contudo, quando os caminhos vão se desenhando e há divergências de opiniões mais severas é então que surgem os problemas. Exemplo dessa realidade é o filme do Facebook e a histório do Eduardo Saverin, brasileiro fundador do facebook junto com Mark Zuckerberg.

Portanto, o acordo entre os sócios é um dos documentos mais importantes dentro de startups, pois é nele que serão determinadas as regras do jogo, ou seja, como as coisas acontecerão em diversas hipóteses, por exemplo na entrada de um investidor ou na retirada de algum sócio.

São diversas situações que são previstas nesse contrato, sendo bastante recomendável que um profissional jurídico devidamente habilitado lhe auxilie para confecção do acordo, pois não é algo tão simples de se fazer corretamente.

Esses são apenas alguns dos aspectos que envolvem formalização e a consolidação de uma startup. Contar com o auxílio de um profissional especializado em nesse tipo de empresa pode fazer toda a diferença para quem quer evitar riscos em geral, prejuízos e muita dor de cabeça.

Você também vai abrir uma startup? Tem dúvidas sobre como não colocar tudo a perder que ter uma assessoria jurídica? Deixe seus comentários abaixo!

Sem comentários

Deixe um Comentário